Dia Mundial do Churrasco é comemorado neste domingo

O Brasil é o terceiro país que mais consome carne no mundo, segundo estudo da OCDE. E a data deve ser comemorada por muitos por aqui!

“Uma invenção de alta importância e pura simplicidade teria sido a grelha”, escreve o brasileiro Luís Câmara Cascudo, na “História da Alimentação no Brasil”, obra prima densa e definitiva de um dos principais antropólogos e historiadores do país. O churrasco foi consequência dessa invenção.

A data 24 de abril foi escolhida para celebrar uma das maiores paixões mundiais que começa com um bom braseiro, o churrasco. A carne assada é um ritual que vai de acender o fogo, preparar os cortes, selecionar os acompanhamentos, as bebidas prediletas e, claro, receber amigos e família.

QUAL É A ORIGEM DO CHURRASCO BRASILEIRO?

O churrasco chegou ao Brasil durante o século XVII, junto com os Setes Povos das Missões — sociedade fundada por jesuítas no Rio Grande a fim de reunir indígenas na missão de catequizá-los. No entanto, tal comunidade foi devastada no ano de 1768, deixando como testemunho um exemplo de comunidade.

Os rebanhos criados por eles, sem dono após a guerra, conquistaram a área e se multiplicaram, tornando-se uma riqueza para ser aproveitada na região — colônia que prosperava em busca de ouro. Por consequência, começaram a ser caçados, tornando-se a refeição básica dos residentes, que consistia em uma fatia de carne fresca, que era assada no calor do fogo e temperada com um punhado de cinzas.

A partir de então, o churrasco foi incorporado à história do Rio Grande do Sul e prosseguiu nesse papel por muitos anos, até chegar à “civilização do estancieiro”, quando os homens iam para lugares distantes em busca de gado, excursando durante dias, semanas e até meses, e cuja base da alimentação consistia apenas em churrasco — de rápido preparo e muito saudável. Assim, foi criado o tradicional churrasco gaúcho, feito no fogo de chão em espetos de carne enterrados na terra próximos à brasa.

COMO O CHURRASCO BRASILEIRO SE TORNOU O QUE É HOJE?

Somente em épocas mais atuais outros cortes de carne passaram a ser incorporados ao churrasco, como a maminha e a picanha — os tradicionais “bifes” —, por exemplo. Além disso, outras novidades surgiram, principalmente trazidas pelos imigrantes italianos que se estabeleceram na região serrana e no norte do Rio Grande do Sul.

Para os italianos, o churrasco deveria ser comido apenas nos dias de festa, nos quais inúmeros cortes eram válidos e preparados no dia anterior, imersos em molhos preparados à base de alho. Assim, surgiu o tradicional “rodízio de carnes” que conhecemos hoje, ou então “espeto corrido”, como é chamado pelos gaúchos, com acompanhamentos, carnes de porco e de frango.

QUANDO O CHURRASCO SE TORNOU TÃO POPULAR AQUI NO PAÍS?

Nem sempre o churrasco foi tão tradicional quanto atualmente: demorou algum tempo para que se tornasse um prato da alta gastronomia e consumido nos principais restaurantes do país. Antigamente, pensava-se que o gado servia apenas na obtenção de sebo e couro, no entanto, aos poucos o churrasco foi sendo difundido ao redor do país e surgiram novas técnicas de preparo.

O churrasco tornou-se um sinônimo de festas e confraternizações, seja com amigos ou familiares. Até hoje, a prática do churrasco é difundida no país, e também bastante apreciada internacionalmente.

Agora que você já descobriu um pouco mais sobre a origem do churrasco brasileiro, que tal assinar nossa newsletter para saber ainda mais sobre o universo gastronômico?

Aproveite e conheça nossa loja virtual e selecione o vinho ideal para seu churrasco! Clique aqui e conheça.

 

Fonte: Salegrill / Forbes